Home

motivo_13_/ PARA QUE A LUTA SOCIAL NÃO SE RENDA AO CONSUMISMO_/

Não será o consumo que vencerá todas as lutas. Freixo encarna esta esperança e cabe à sociedade organizada apoiá-lo.
O sol sempre nasce no novo dia, e com ele, vem a esperança de que a luta poderá continuar. E deve continuar. A eleição não é um fim em si mesmo, mas uma etapa, um processo para o crescimento dos movimentos sociais que, hoje, empunham suas bandeiras em apoio a Marcelo Freixo. Ele representa a união destes movimentos, dos anseios e sonhos dos cariocas por mudança. Representa, enfim, a esperança de que a luta não será em vão e de que podemos seguir caminhando. De sol a sol, dia após dia, buscando não apenas eleger um homem, mas colocar no poder um projeto, um movimento unido, uma ideologia.
Já disseram que a história acabou, que as ideologias morreram e que, por fim, o PT no poder teria sepultado as esperanças dos movimentos sociais e do povo por uma efetiva mudança social. Estamos todos felizes, em nossas universidades de péssima qualidade, com nossos carros do ano financiados a perder de vista, com crédito infinito nos bancos que nunca lucraram tanto na história e… consumindo.
Consumo, esse deus supremo da sociedade capitalista. Mas a história sempre nos surpreende e mostra que não morreu. Resiste!
Resiste e grita que aqueles oprimidos, vítimas do sistema, da sociedade injusta, não serão calados e continuarão a lutar por dignidade
Não será um carro – ou uma TV de plasma – que irá calar o povo, que irá acabar com todas as lutas. A esperança ainda permanece viva, na mudança, na caminhada da sociedade. Marcelo Freixo, hoje, encarna esta esperança e cabe aos movimentos sociais, à sociedade organizada empurrá-lo e apoiá-lo. O sol voltará a nascer amanhã.
MESTRE EM COMUNICAÇÃO (CÁSPER LÍBERO), BACHAREL EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS (PUCSP), RAPHAEL TSAVKKO GARCIA É AUTOR E TRADUTOR DO GLOBAL VOICES ONLINE, SITE JORNALÍSTICO INTERNACIONAL, COLABORADOR DO LATIN AMERICAN BUREAU (LAB) E DOS BLOGS AMÁLGAMA, TREZENTOS E XÔ CENSURA.